Costa de Souza

Caricatura | Ilustração


Deixe um comentário

Caricatura: Elza Soares

Caricatura de Elza Soares. Cantora que admiro por toda a sua trajetória, sua expressividade, sua força como ícone social, e o grandioso espetáculo que proporciona com sua voz inigualável.

Arte inspirada na nova fase da artista, que está em turnê com o show “A Mulher do Fim do Mundo”.

Trabalho de pintura digital desenvolvido como projeto pessoal.


Deixe um comentário

Caricatura para formatura de Ciências Contábeis

Caricatura para formatura de Ciências Contábeis. Formanda com um cenário relacionado à profissão e ao lado da sua cachorrinha yorkshire. Também foi desenvolvido um lettering pra mostrar o nome com estilo.

Encomenda na opção Colorida, completa.

A caricatura para formatura pode ser aplicada em diversos itens da festa, como em copos, canecas, chinelos, banner e totem até 1,80 metro de altura.


1 comentário

Caricatura para formatura em Educação Física

caricatura-formatura-educacao-fisica

Caricatura para formatura em Educação Física. A formanda pediu para incluir o skate e a bola de basquete na caricatura.

Encomenda na opção Colorida, com 1 adicional (skate).

A caricatura para formatura é enviada em arquivo digital em alta resolução. Você aplicá-la em quadro, porta-retrato, convite, copo, canecas, chinelos, totens e outros itens da festa.


Deixe um comentário

Caricatura ao vivo só para mulheres

(clique nas imagens para ampliar)

Ontem o dia foi de caricatura ao vivo só para mulheres no Sesi Escola em Blumenau.  As colaboradoras receberam os desenhos como parte das homenagens de 8 de março e, por um dia, todas as caricaturas ficaram expostas neste mural na entrada da escola.


Deixe um comentário

Morena Frajola

Morena Frajola – Aquarela sobre papel – 30 x 42 cm – novembro de 2009

Este é um estudo de cores em que voltei à técnica do lápis aquarelável, que usava muito há uns dois anos. Aqui não usei pigmento preto nem cinza, pra poder entender melhor como cada cor representa a luz ou a sombra. Uma sensação próxima ao cinza é a das listras da blusa, mas que é composta por pigmentos marrom e azul. Já nos óculos a mistura é grande.

É muito bom variar entre o digital e as tintas ou lápis e perceber como um ajuda o outro. A composição de cores no Photoshop, mais prática, dá um domínio maior pra usar as mídias tradicionais.

Fica o ar de verão, pra marcar o dia quente de hoje, com essa imagem dominada pelo amarelo.

Quem quiser relembrar o clima de outono que criei numa aquarela de 2008 (nada de “ano passado”, 2008 tá velho demais já) aqui está.


5 Comentários

Sambista em Laranja

 

Sambista em Laranja

Acrílico sobre tela – 50 x 70 cm

 

Esta versão da Sambista levou duas semanas pra ser feita. Me ative à incidência da luz sobre o corpo como maneira de captar o movimento. Também pude entender melhor a diferença na posição do pincel na pincelada e também no volume de água que ele carrega e como isso influencia no traço. Gosto de marcar  a tela, acrescentando a captura do meu momento à captura do momento da mulher retratada. Isso eu quero fazer mais vezes, e melhor.


4 Comentários

Ela tá como sempre

Sei que os homens delas vão ser grandes, companheiros
E outros homens menores passarão a ser pra acompanhá-los
Mas ela tá como sempre
Sempre como ela
Ela vem na mesma rua
Nua e bela
E me aquarela

Sei que os homens vão ser novos e eu, primeiro, nunca o próximo
As velhas são as outras, não mais essas porque eu te amei quando criança
Nunca o próximo. O mesmo. Sempre como ela.

“Bom te ver, saudade”, apela. Eu não sou mais com saudade, sou só eu aqui com ela
Acompanhada

Nada, não foi a gente, era só brincadeira quando o rosto era também um bocejo.
Agora dorme. Fizeste muito. Tens companhia. “Saudade”.

Está no meu saite, canta na naite, professora, artista, toda ela sempre a insana da família
A filha errada, a foto nossa não vem na mão porque a gente não tinha
Responsabilidade

A gente tem idade pra ser mãe. Agora vai mulher e quero ver como venho.
Tenho corpo pra ser eu e tu tens outros, um preso e um solto, um riso velho e um rosto.
A gente não tirou a foto pra comparar. A gente não para. Mas debaixo do violão, do cálice, da casa, resta a areia de sempre, a mesma rua, a gente se encontra de velho, se posa de novo, eu te acho como sempre e te perco como nunca.